Contador de visitas

terça-feira, 1 de setembro de 2015


JOSÉ RIVA, QUE TEM RABO DE RAIMUNDO E TODO MUNDO NAS MÃOS, TEM R$ 2 MILHÕES EM DÍVIDAS PARA RECEBER DO "PAPA ANJOS" E CALOTEIRO "REI DA SOJA" ERAÍ MAGGI 
Resultado de imagem para JOSE RIVA E ERAÍ MAGGI
 Durante cumprimento de mandado de busca e apreensão na residência do ex-deputado José Riva (PSD) na 5ª fase da “Operação Ararath”, em 20 de maio de 2014, a Polícia Federal apreendeu alguns documentos “interessantes”. Entre eles, está uma nota promissória no valor de R$ 2,138 milhões assinada pelo megaempresário Eraí Maggi (PP) e que está anexada ao inquérito 3842 que tramita no STF (Supremo Tribunal Federal) diante do foro privilegiado do senador Blairo Maggi (PR). A nota promissória foi emitida em abril de 2013 e é supotamente assinada por Eraí Maggi. Ele é dono do grupo Bom Futuro e atua em vários ramos, sendo "famoso" por financiar campanhas eleitorais no Estado. As investigações da Polícia Federal apontam que a nota promissória teria sido emitida como garantia de um empréstimo feito pelo empresário. O intrigante é saber o motivo dela estar na residência do ex-presidente da Assembleia Legislativa. Riva e Eraí sempre tiveram uma relação muito próxima. O ex-deputado sempre disse publicamente que foi o responsável por trazer o megaprodutor de soja a Mato Grosso na década de 80. Contudo, no último ano eles se afastaram. Riva não contou com o apoio de Eraí na disputa ao Governo em 2014. Após a eleição, o então parlamentar abriu uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a Cooamat, cooperativa criada pelo “Rei da Soja” para supostamente sonegar R$ 300 milhões em impostos. Apesar do relatório do presidente Emanuel Pinheiro (PR) ser inconclusivo quanto a prática de crime, o social democrata elaborou um relatório paralelo e encaminhou denúncias a órgãos como Polícia Fazendária e Ministério Público Estadual.
CARLOS FÁVARO, O BRUCUTU
 ALÉM DE ATRAPALHAR OBRAS EM RODOVIAS ESTADUAIS, VICE GOVERNADOR (O HOMEM QUE PROMETE E NÃO CUMPRE!) BARRA IMPRENSA E ASSESSORES EM REUNIÃO COM LÍDERES REVOLTADOS COM ABANDONO 

 --------------------------

Na campanha que o elegeu  vice, foi apontado como "cheirador de cocaína", cabarezeiro e caloteiro inveterado. Depois de eleito virou "santo"... Aos poucos mostra a verdadeira face!
Resultado de imagem para carlos favaro

Resultado de imagem para mt 170
Resultado de imagem para mt 170
SITUAÇÃO CATASTRÓFICA DA MT 170: RAZÃO DOS PROTESTOS

A pouco mais de um mês do episódio em que a jornalista Cecília Gonçalves foi impedida de registrar uma reunião com o vice-governador de Mato Grosso, Carlos Fávaro (PP), o mesmo tipo de prática volta a acontecer. O fato aconteceu após o bloqueio da MT-170, realizado por manifestantes do município de Brasnorte, por conta dos buracos e da precariedade da pista, quando o sindicato madeireiro (SIMNO), juntamente com algumas autoridades políticas locais, estavam solicitando uma atitude do governo para o caso, sob a ameaça de continuarem com bloqueio. O vice-governador atendeu as entidades na última sexta-feira (29), após intermediação do deputado Oscar Bezerra (PSB), onde as mesmas cobraram atitudes, principalmente em relação a um trecho de 80 km que estava praticamente intransponível por causa dos buracos. Em janeiro o próprio Fávaro se comprometeu a resolver a questão, no entanto, uma equipe foi enviada ao local e dias depois as obras foram abandonadas. O protesto só foi suspenso graças ao voto de confiança no governo, que aceitou atender os representantes na última sexta-feira. O problema é que a imprensa novamente foi impedida de participar, registrar ou sequer ter acesso aos seus assessorados durante a audiência. Uma das jornalistas que pediu para não ser identificada, relatou ao MPopular que ao iniciar a reunião a assessoria do governo começou a barrar os repórteres na porta da sala, dizendo que não havia espaço suficiente para que todas as pessoas pudessem entrar. 

 Alguns assessores chegaram a argumentar que seu cliente estava sem meios para registrar a conversa e que isso impediria que o trabalho do assessor pudesse ser feito com eficácia. Em resposta aos profissionais da comunicação, a assessora que estava barrando a entrada, avisou que disponibilizaria as imagens e os releases no ‘banco de notícias’ do Governo. Revoltados, alguns profissionais teriam dito que tal ação configurava censura à imprensa, e que a mesma tem o direito de ser livre. Porém, os servidores não se incomodaram e mantiveram o impedimento. Em busca de punição a jornalista afirmou que ligou para uma colega da Gazeta comunicando o abuso. No entanto a mesma respondeu indignada que não poderia fazer nada, pois o jornal mantinha a política de não falar mal do Governo. “O que mais me revoltou é que o fotógrafo da Gcon, chegou todo “pomposo” e disse para a recepcionista que não poderia ser tratado como imprensa comum pois o mesmo era assessoria do Governo”, enfatiza a jornalista. A reunião durou cerca de duas horas e apenas a assessoria do próprio governo pode participar. Alem do Vice, e de prefeitos da região noroeste, estiveram presentes na reunião os deputados Saturnino Masson (PSDB), Janaína Riva (PSD), o presidente do sindicato das madeireiras e moveleiras do noroeste de Mato Grosso- Simno, Roberto Rios, e o Diretor do Centro das Industrias madeireiras – Cipem, Valdinei Bento.
O dia que Pedro Taques levou uma facada de um juiz na praça da Sé em São Paulo 
---------------------
De Traks a Taques - A história não contada de Pedro 

Resultado de imagem para ilustração esfaqueado
 O governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP), contou uma história durante a filiação do seu correligionário, Pedro Taques, (PSDB-MT), como tentando criar intimidade, ao citar “ligação histórica de Taques com São Paulo” porque um certo homônimo Pedro Taques doou, no século XVII, o terreno onde hoje é a Praça da Sé. O que Alckmin não contou foi que o Pedro Taques daquela época possuía uma rusga contra Fernando de Camargo pelo controle do poder político-burocrático da região de São Paulo. O paulista Fernando era um típico bandeirante, visto nos livros, que saía pelo sertão para “prear índios”. Mas ao mesmo tempo, ocupou cargos na sua comarca, como o de juiz.

Por outro lado, o Pedro Taques paulista se aliou aos jesuítas. E então, os jesuítas foram expulsos não só de São Paulo como do Brasil, e o inevitável aconteceu. Acabou que Fernando e Pedro se encontrarem, e não foi no Pátio do Colégio, onde surgiu São Paulo, e sim na atual Praça da Sé, e os dois brigaram feio, com tiros de armas de fogo de grande barulho, fumaça e pouca precisão até os punhais, com um tentando golpear o outro. O problema é que possuíam seus partidários, e eles entraram na briga, ou melhor, na carnificina. Muito sangue foi derramado, e vários morreram. E como na política atual, a história não registrou o nome de nenhum dos mortos, por serem pobres diabos. Quanto aos dois, Fernando e Pedro, saíram quase ilesos. Tempos depois, eles se reencontraram no mesmo lugar, e Fernando cravou o punhal nas costas de Pedro Taques, morto, na Praça da Sé. Taques morreu de forma cruel, por vingança e ódio depois de ter enganado e traído seus apoiadores.

 Mas essa não é a história que o nosso Pedro Taques da rua 24 de outubro gosta de contar, e sim que a família veio para Mato Grosso junto com os bandeirantes sorocabanos, logo após a descoberta do ouro e consequente criação de Cuiabá. Além disso, credita a origem do nome de família Taques ao “Taks”, que seria de origem libanesa, árabe, portanto. Porém, o “Taques” a que Geraldo Alckmin se referia como o doador do terreno da Praça da Sé, é “Tacks” de origem Belga do século XV. O que nos mostra essa história, dita aqui com um pouco mais de profundidade, é que a superficialidade dos discursos esconde muito e revela apenas o que interessa a quem a conta e agrada quem está no poder. O 'nosso' Pedro Taques, baixinho, roliço e triste, é português, se passando por Belga, sendo vendido pelo PSDB como lord inglês.    (MUVUCA)

quinta-feira, 20 de agosto de 2015


PEDRO ROSINHA TAQUES, UM TROMBADINHA AINDA INFANTO JUVENIL, AGORA NO NINHO TUCANO E CERCADO DE MESTRES NA ARTE DE TRAMBIQUES E LADROAGENS 
Resultado de imagem para CHARGE TUCANO LADRAO
 Resultado de imagem para charge homem de camisola
Pedro Rosinha Taques, recebido com festa carnavalesca pelos amigos tucanos!

Ainda um pequeno e promissor gatuno, infanto juvenil na arte de surrupiar "dinheiro do povo", o governador Pedro Rosinha Taques passa agora a contar com um batalhão de veteranos assaltantes de cofres públicos não apenas em Mato Grosso, onde, valesse a justiça chinesa 99 por cento dos caciques regionais  tucanos já estariam alimentando minhocas, com uma bala de fuzil na nuca. No oriente médio, onde ladrões tem braços e pernas amputados, 90 % deles estariam usando muletas e próteses no braços na hora de subir ao palanques para pedir votos(caso ainda tivessem ousadia para tal ato). 

Centenas de Veteranos pessedebistas em festa, milhares de outros tucaninhos já de boca seca para encher mamadeiras até o bico, como na época do funestríssimo governo Dante de Oliveira, do qual só sentem saudades os que hoje fazem carnaval com a filiação de Taques ao PSDB.

Mãe confessa ter matado seus três filhos para ter mais atenção do marido

 Equipes de emergência não conseguiram ressuscitar o bebê de 3 meses de Brittany Pilkington, Noah, quando ele parou de respirar na terça-feira (18), menos de uma semana depois de um tribunal devolver sua guarda à mãe. Nem Gavin, de 4 anos, o outro filho da americana, morto em abril. Ou seu outro filho de também 3 meses, Niall, que morreu no verão passado. Autoridades em Bellefontaine, Ohio, viram um padrão nas mortes e começaram a fazer algumas perguntas para Brittany. Ela então confessou ter matado os próprios filhos e acabou presa sob acusação de assassinato, de acordo com comunicado da polícia. Os investigadores acreditam que Brittany usou o cobertor dos garotos para sufocá-los em seus respectivos berços e camas durante os últimos 13 meses, porque ela queria que seu marido prestasse mais atenção nela e na filha de 3 anos do casal, como afirma o procurador William Goslee.
Fórum de Cuiabá tem surto de tuberculose, que espalha medo pelos corredores da Justiça
===============
Até juíza já foi contaminada por doença que  tem usado presidiários para se espalhar

 O Fórum de Cuiabá está sob o domínio do medo. É que a tuberculose – doença que há anos tomou conta dos presídios da Grande Cuiabá, devido às péssimas condições de alojamento em que são mantidos os presos – agora também passou a contaminar profissionais que atuam nas varas criminais de Cuiabá, para onde os albergados atingidos pela moléstia são levados seguidamente para participarem das diferentes etapas de seus julgamento sem que se conte com qualquer protocolo de proteção visando resguardar da possível contaminação as pessoas que tomam parte destes procedimentos e todas os demais cidadãos que circulam pelo ambiente do Fórum. Enquanto o Tribunal de Justiça de Mato Grosso se omite diante do problema, alguns anônimos servidores espalharam pelas portas e paredes das varas criminais cartazes que alertam para a “ameaça de contaminação bacterológica”. Ameaça que, até agora, parece que foi enxergada pelo desembargador Paulo Cunha, atual presidente do TJ-MT. Segundo um servidor, que não quis identificar-se não sei bem ao certo por que, a ameaça não ocorre somente quando os presos são trazidos para as audiências. ” Já que me disseram que o transmissor da tuberculose sai pela respiração do preso e pode se manter vivo nos côndutos do ar condicionado, que interligam todos os ambientes deste prédio”, alarmou-se ele. Uma das primeiras vítimas da doença entre os magistrados, todavia, foi identificada pelo site PAGINA DO E. Segundo informações colhidas na sexta-feira (14), trata-se da juíza Maria Aparecida Ferreira Fago, titular da 12ª Vara Criminal de Cuiabá. Afastada para tratamento da moléstia, a juíza Fago renovou, na semana passada, por mais quatro meses, a sua licença médica.
Família Maggi dá golpe na filha que o patriarca André Maggi teve fora casamento 
==================
Filha de André Maggi requer herança e leva 'tombo' da família bilionária

 A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou à agricultora Carina Maggi Martins o direito de reabrir o inventário e ser incluída como herdeira dos bens deixados por seu pai, o empresário e colonizador mato-grossense André Maggi, que faleceu em 2001, aos 74 anos. A decisão foi proferida no final de junho e seguiu o voto do ministro Marco Aurélio Belizze. O principal bem deixado por André Maggi é a multinacional da soja fundada por ele, a “Amaggi”, uma das maiores empresas do ramo no mundo, com média de faturamento de R$ 5 bilhões ao ano. A herança do patriarca dos Maggi foi dividida entre sua esposa, Lúcia Borges Maggi, e seus cinco filhos: o senador Blairo Maggi (PR) e as empresárias Fátima Maggi, Rosângela Maggi, Marli Maggi e Vera Maggi. Carina Maggi, segundo a ação, foi excluída do inventário e da partilha de bens porque, na época do falecimento, ela ainda não havia sido reconhecida pela Justiça como sendo filha de André Maggi. O vínculo de pai e filha, no entanto, ocorreu posteriormente, no âmbito de uma ação de paternidade ingressada por ela.

 Segundo Carina, após a paternidade ter sido reconhecida, a família Maggi a procurou com uma proposta de acordo extrajudicial, que foi aceito por ela. No acordo, ela recebeu R$ 1,950 milhão em troca de abrir mão do direito de herança. O valor foi pago por meio de dois cheques de R$ 250 mil cada, emitidos por Blairo Maggi; lotes de terras de 67 alqueires, em São Miguel do Iguaçu (PR); parte de uma gleba de 60,5 mil m² no município e a própria casa onde reside, que fica na mesma localidade. Assim, a família Maggi converteu o inventário em arrolamento de bens e apresentou termo de partilha amigável, excluindo Carina Maggi da condição de herdeira, situação que foi homologada pela Justiça. Porém, a agricultora alegou que foi enganada no acordo, pois assinou o documento por intermédio de sua mãe, que é uma “pessoa simples e semianalfabeta, o que a impediu de saber, no momento da avença, qual era o verdadeiro patrimônio deixado por seu pai”. Ela ainda denunciou que vários bens e valores pertencentes ao seu pai não teriam sido relacionados por ocasião da partilha amigável, especialmente os que compunham parte do patrimônio no exterior, “devendo, por esse motivo, ser aberta sobrepartilha, com a declaração de nulidade do inventário”.
Protesto dos branquelos, bem nutridos e mal intencionados

Sou favorável a um golpe de estado no País, que tenha  no topo com um civil ou militar, que realmente venha a beneficiar a nação  com obras em todos os setores, em que se ponha fim  aos poderes e instituições  instituições que em nada ajudam no crescimento de renda e bem estar do povo no País. Resumindo:  Prefeituras, Governos Estaduais,Governos, e Ministérios, com menos de 20 por cento dos atuais contratados poderiam, com êxito, serem administradas por um interventor. Sobraria muitos bilhões para as obras, Saúde, Educação e Transporte, todos com qualidade e gratuítos.

Sem fazer defesa do Governo Dilma, mas baseado em fatos, em imagens amplamente divulgadas em todo País, a exemplo da quentíssima Cuiabá, só vi pessoas bem nutridas, branquinhas, e também pardos rechonchudos (sinal de vida mansa) pintadas na cara e protestando no último domingo. Pobres, em alguns casos, eram humildes trabalhadores tentando faturar uns trocados a mais nesse dia de "festa", vendendo picolés, refrigerantes, sucos ou, simplesmente, cumprindo o ofício de babás, cuidando da criançada enquanto os pais, fingindo ardor patriótico, pediam aos berros a cabeça da presidente Dilma, de Lula e outros do PT. (Ely Santantonio)

quinta-feira, 13 de agosto de 2015


VEREADORES DENUNCIAM PREFEITO DE BARÃO DO MELGAÇO POR DESVIO DE RECURSOS DO FETHAB E OUTRAS ROUBALHEIRAS Resultado de imagem para PREFEITO ANTONIO RIBEIROMILIONÁRIAS
PREFEITO ANTONIO RIBEIRO TORRES: TRATANDO DE GARANTIR A APOSENTADORIA MILIONÁRIA

Vereadores de oposição em Barão de Melgaço denunciaram no transcorrer da semana, numa emissora de radio regional, que os recursos destinados ao município, via FETHAB, vem sendo desviados pelo prefeito local, Antônio Ribeiro Torres, um rico empresário que resolveu estender seus domínios na região pantaneira, elegendo-se prefeito, segundo os mesmos edis, na base da compra de votos.

Para sedimentar as denúncias, que logo serão encaminhadas ao MPE, os vereadores contrataram um escritório de investigação particular, que não apenas já está investigando a pulverização de mais de R$ 1 milhão até o momento liberado para Barão, graças a acordo entre o governador Pedro Taques e prefeituras de Mato Grosso, como também levanta minuciosamente o grande patrimônio acumulado pelo prefeito ao longo do tempo em que assumiu a Prefeitura, tendo a precaução de aplicar os "ganhos" em nome de "laranjas". Fruto de outros desvios nos cofres municipais.

Empresário bem sucedido, além de terras, o prefeito resolveu assegurar ainda mais a milionária aposentadoria comprando apartamentos em Rondonópolis, Cuiabá e outras cidades em desenvolvimento acelerado no Estado. Todos no aluguel, gerenciados por imobiliárias.

As revelações chegadas até os edis denunciantes são muitas, surpreendentes  e bem consistentes, cabendo aos investigadores municia-las de documentos para que possam, na Justiça, impedir que os desmandos continuem.

Consta ainda que, mediante notas frias, usando máquinas e trabalhadores da própria prefeitura, Antonio Ribeiro vem efetuando patrolamentos superficiais (sem encascalhamento para não gastar) em rodovias importantes da região, dentre elas a que liga Barão de Melgaço ao Distrito de São Pedro de Joselândia. É grave a situação, ainda mais com a proximidade das chuvas, quando, mais uma vez,  tudo ficará isolado.
MATO GROSSO REAGE CONTRA DESGOVERNO DE PEDRO ROSINHA TAQUES

 A população começou a reagir de forma espontânea contra o governo Pedro Taques. Nas ruas já é possível ver carros adesivados com manifestações de repúdio ao que parece ser a tônica destes oito meses de mandato: A lerdeza. O curioso é que a frase utilizada nos carros é inspirada na mesma utilizada pelo PSDB - partido ao qual irá se filiar - ao se referir a presidente Dilma Rousseff. “Eu não tenho culpa, não votei em Pedro Taques”. Taques não conseguiu inaugurar sequer um viaduto que já estava concluído e pago pelo governo anterior, não retomou as obras do VLT, colocou em andamento o programa de pavimentação asfáltica de forma tímida, deixou os salários atrasar já no terceiro mês de mandato, isso após 10 anos de pagamento em dia, cortou repasses para as prefeituras e hospitais, negou recomposição salarial estatutária ao funcionalismo e a única ação realmente concreta foi propaganda de cunho pessoal. 

 DEPOIS DE USADO, SUGADO, PDT FOI JOGADO NO LIXO POR PEDRO TAQUES 


 O Presidente do PDT estadual, deputado Zeca Viana, considerou desrespeitosa a forma como o governador Pedro Taques saiu do PDT, com uma carta de desfiliação de apenas seis linhas e disse que vai levá-la à cúpula nacional do partido, além de denunciar o que chama de pressão sobre os filiados para deixar a legenda. “Já era esperado (a saída), e analizando friamente o Pedro nunca foi do PDT. O posicionamento dele no senado sempre foi contra o partido. Usou do partido para se eleger como Senador e como Governador, depois de eleito com 90 dias anunciou sua saída do partido. Quem estava equivocado éramos nós, pois ele não era pedetista”, declarou Viana.

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

 POVO CLAMA POR UM PRESIDENTE LIBERTO DE AMARRAS
    Resultado de imagem para povo

ELY SANTANTONIO

Tenho 60 anos. Fui  criado numa fazenda às margens do rio Paraguai, no Médio NorteMT. Tive uma infância feliz em meio a mais de 500 garimpeiros que tiravam o sustento nas terras do meu avô Antônio Pinto Figueiredo, pelo lado materno. Criadores de gado, lavradores, todos viviam felizes e com fartura, sem perseguição policial, sem impostos abusivos, sem taxas extorsivas de Detran , Sema, Segurança Pública, Sefaz e outras fontes de trambiques criadas nos Estados para bancar as dezenas de milhares de parasitas que comem, dormem, fingem que trabalham (mais de 90 por cento deles) e todo  mês embolsam fortunas que poderiam ser destinadas a obras como estradas, escolas, pontes,  creches, etc.

Li uma entrevista do saudoso ex-governador José Fragelli, que governou Mt na década de 70. Nela observou: "Na minha época era fácil governar, concluir grandes obras. Não havia excesso de burocracia e a Assembleia de Mato Grosso, ainda não dividido, tinha menos de 30 funcionários para atender a todos os parlamentares". Hoje são milhares, e a imensa maioria apenas "coçando saco" a espera do final de mês. Isto sem contar os trambiques articulados pelos próprios parlamentares, visando enriquecimento próprio. E por aí seguem demais poderes como  TCEs, TJs, habitando palácios suntuosos...

Não a toa, nas cidades por onde passo, nas ruas por onde ando, os mais idosos, aqueles que conheceram o período de prosperidade, legalidade, ordem e respeito aos trabalhadores honestos, clamam abertamente, sonham com o dia em que teremos de volta um presidente não sufocado pelo Congresso Nacional e outras instituições poderosas no País. Pode até ser Dilma, Lula, que já provaram que não tem horror a pobre. Se for um militar, melhor ainda!
A CANALHICE  E COVARDIA EXPLÍCITA DE GUILHERME MALUF E APANIGUADOS LARÁPIOS QUE HOJE COMANDAM A ASSEMBLEIA DE MATO GROSSO
Resultado de imagem para maluf e nininho
Por mais crimes e calúnias que possam lhe imputar, com todos defeitos e virtudes que que nele prevalecem, não se pode negar que a AL de Mato Grosso deve muito ao ex-deputado José Geraldo Riva, que por 20 anos comandou o Legislativo Estadual e o colocou no patamar físico e poderoso  em que hoje se encontra. Se for falar em roubalheiras, Guilherme Malu e a corja que comanda o Parlamento não suporta 24 horas de um arrocho federal, caso fosse permitido. A começar pelo ainda inexplicável sumiço de R$ 20 milhões, supostamente para compra de ambulâncias.O texto a seguir é do GAZETA DIGITAL: 
 

Solenidade ignora 20 anos do ex-deputado


A Assembleia Legislativa está comemorando hoje 180 anos de criação e a manhã na Casa foi destinada a homenagens e lembranças da trajetória de parlamentares.
Presidente Guilherme Maluf, em discurso, citou vários ex-presidentes, mas nenhuma frase sobre o ex-colega, José Geraldo Riva (PSD).
Tudo bem que Riva está em baixa e até proibido de comparecer ao Legislativo por decisão judicial, tendo em vista os graves crimes imputados a ele, quando presidente da AL.
Mas a imagem de Riva não apareceu nem no documentário oficial sobre a história do Legislativo, exibido na solenidade que acabou ignorando, para o bem ou para o mal, 20 anos de história.
No apagar das luzes da cerimônia, esses 20 anos em que Riva esteve comandando a Assembleia foram lembrados com um troféu, entregue rapidinho à filha Janaina Riva, hoje deputada estadual.
Rei morto, rei posto, como diz o ditado. Ainda mais um rei, hoje réu em mais de 100 processos, a maioria envolvendo desvio de dinheiro do próprio Poder. Partiu Zé Riva!